segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Uma loja fofinha ou das maiores banhadas do século?

Lembro-me de há uns tempos dar de caras, algures pelo Facebook, com uma partilha de um artigo da NIT sobre uma loja de produtos coreanos em Lisboa.



Fiquei entusiasmada, não fosse eu uma amante dos produtos de papelaria coreanos e, além disso, uma curiosa relativamente a produtos de higiene, beleza e outras coisas mais, desse género. Falava em "porta-chaves fofinhos, canetas engraçadas (...), esponjas para o banho, cremes para as mãos ou uma ventoinha que, além de ar, projeta água".

Fiquei com uma ideia engraçada da coisa e cheia de vontade de visitar, na esperança de encontrar um espaço que me fizesse sentir numa loja qualquer no meio de Seul, mas em pleno Dolce Vita Tejo. Como o centro comercial ficava, para mim, fora de mão, não se deu qualquer visita.

A loja chama-se Yoyoso e é descrita, no tal artigo, como "uma espécie de Flying Tiger" mas... nada a ver.

Hoje, muito por acaso, acabei por ir com o meu namorado ao Dolce Vita Tejo e foi imperativo dar lá um salto. "Temos de ir, eu vi na NIT que era mesmo engraçado" e tal e coiso. Não foi difícil convencê-lo.

Mas a desilusão foi tremenda.

Entrei e estavam expostos, mesmo ao início, uns sacos de praia que poderia encontrar em qualquer Ale-Hop (e mais giros!).
Depois comecei a percorrer os corredores e... o cenário não mudou. Produtos de higiene parecidos com os da Primark, caixinhas em acrílico tipo as da Muji, entre outros.

Tinha uns peluches fofinhos para miúdos (e graúdos, para os amantes dos bichinhos), bem diferentes do normal, mas não passou disso.

Num outro corredor havia todo um expositor com tomadas. Uau!!! Que coisa do outro mundo, tão coreana. Tomadas...

E já na secção de papelaria pude perceber que era tal e qual o que qualquer "loja dos chineses" tem para oferecer.

O Rui disse-me: "Isto é uma loja dos chineses, mas com bom aspeto...".
De início não quis concordar, para não dar parte fraca. Mas logo tive de o fazer e saí dali o mais depressa que pude. Que banhada dos diabos, malta.

Chegados cá fora, diz-me o Rui todo contente: "Encontrei a minha alma gémea... ouvi um senhor dizer o mesmo que eu... que a loja era uma loja dos chineses mascarada!". Pois bem, éramos pouquíssimos clientes na loja e dois deles (três, comigo) teceram exatamente o mesmo tipo de consideração.

Mais um exemplo de um projeto que não foi bem conseguido e, a meu ver, de "publicidade" muito longe daquilo que é a realidade.

Beijinhos para todos,
Raquel

Enviar um comentário

je suis pirosa © . Design by FCD.